Texto: E onde está a emoção?

7.12.15

Nossa, eu fico pensando as vezes (geralmente de madrugada) como quem gosta de escrever, ou simplesmente quer escrever tem o desejo de fazer textos intensos, que faça com que o leitor se sinta envolvido, com que o leitor se emocione ou chore. Nem sempre queremos que as pessoas riam do que escrevemos, quando na verdade a função de um escritor ou de alguém que simplesmente escreve  é emocionar e envolver, sem muita intenção ou certeza de que sejam lágrimas a forma de expressar o que estão sentindo ao ler o texto.

Mas quando escrevemos queremos emoção, queremos tornar o texto interessante. Mas como encontrar emoção em um mundo de pessoas que estão cada vez mais frias e vazias? Onde um Bom Dia se tornou algo obrigatório e não algo prazeroso de se fazer, de que sorrir se tornou tão dispensável, ter cara de estátua é mais interessante que ser alguém que simplesmente sorri pra outra na rua sem o interesse de que aquele sorriso termine em um quarto de motel.

Nos emocionamos demais ao ouvir histórias de amor trágicas, ou de reencontros familiares ou pessoas queridas. Será que não podemos nos emocionar com o nascer do sol, ou com a noite extremamente estrelada? Não podemos nos emocionar ao ajudar uma senhora a atravessar a rua, ou ao encontrarmos aquele amigo que vimos ontem mesmo na escola ou no trabalho. Será que a emoção não pode ser uma celebração?


Precisamos passar de seres de cimento que só se sentem emocionados com acontecimentos diferentes do dia a dia, podemos ser felizes e acharmos lindo uma criança sorrir, acharmos lindo o café da manha que as mães preparam, nos emocionar por sairmos de manha e quando voltarmos pra casa estarmos tão seguros em um mundo formado por frieza e violência, onde a vida e a segurança do próximo é assunto do governo.


Talvez goste disso

0 Comentários

Google+