Eu assisti: Drácula: A História Nunca Contada

5.12.14


Eu já andava meio saturado de filmes de vampiros e lobisomens no qual eles transformavam esses personagens tão vorazes em quase fadas coloridas e cheias de glitter e um super senso de moda. Nas séries não muda muita coisa.

Eu sempre ouvi as histórias de que vampiros são monstros sanguinários que matavam sem piedade para continuar vivendo, que tinha uma beleza incontestável e hipnotizante que encantava qualquer um que os visse, além da sua força e agilidade incomuns.
Até ai as séries estão indo no caminho certo. Os filmes? Ah, os filmes nem tanto assim. Mas, essa semana me arrisquei a assisti “Drácula: A História Nunca Contada” e acredite eu sai da sala do cinema com um super orgulho dos produtores do longa.

Nada de brilhar no sol, nada de vampiros viciados em carros caros, ou vampiros que são “vegetarianos”. Temos a mais pura essência de um vampiro transformada em imagens alucinantes, com efeitos especiais que são de tirar o fôlego, e de fazer qualquer ser humano se remexer nas cadeiras do cinema (ou no sofá de casa).

A história dessa vez é a do mais famoso vampiro da história. O grandioso “Drácula” o vampiro que encantou mulheres ao longo dos séculos para se manter vivo e sempre poderoso. A história é focada na origem do vampiro, em como ele se transformou e por que. O filme reúnes duas coisas que eu sou apaixonado: Idade média e fantasia (lembrou de uma série que reúne essas duas características?). Lógico William, é um filme de vampiro, é óbvio que é uma obra fictícia, quem me garante? Vai que vampiros existem sei lá?

Mas voltando ao filme. Como toda grande história, temos uma história de amor, temos alguns sacrifícios e temos muita, muita espada tilintando por conta das guerras. O filme tem uma ótima história, muito bem desenvolvida ao longo das cenas, algumas surpresas, além de ser uma história que teve muitas versões e pontos de vista diferentes.
O filme é quente, começa quente, segue o enredo quente, tem uma pausa pra lágrima e depois segue quente outra vez. “Drácula: A História Nunca Contada” com toda certeza é um filme de vampiro produzido para adultos, ou para aqueles que não concordam muito em ‘’gliterizar’’ os vampiros, por que né?.

O figurino não preciso nem comentar, sou apaixonado por todo esse couro, seda, ouro e tons terrosos no mesmo quadro. A moda da idade média podia não ser uma das mais confortáveis, mas com toda certeza é uma das mais bonitas da história. A trilha sonora não é lá essas coisas, mas em conjunção com o visual ela passa quase que despercebida aos desatentos.

Dirigido por Gary Shore e distribuído pela Universal Pictures. Um filme que vale (e muito) a pena ser visto. Certeza de que será surpreendente , até fiquei com vontade de ligar pra Marvel pra eles colocarem o Vlad lá pra dar uma força pros Vingadores.

Leia a Sinopse: Os habitantes da Transilvânia sempre foram inimigos dos turcos, com quem tiveram batalhas épicas. Para evitar que sua população fosse massacrada, o rei local aceitou entregar aos turcos centenas de crianças. Entre elas estava seu próprio filho, Vlad Tepes (Luke Evans), que aprendeu com os turcos a arte de guerrear. Logo Vlad ganhou fama pela ferocidade nas batalhas e também por empalar os derrotados. De volta à Transilvânia, onde é nomeado príncipe, ele governa em paz por 10 anos. Só que o rei Mehmed (Dominic Cooper) mais uma vez exige que 100 crianças sejam entregues aos turcos. Vlad se recusa e, com isso, inicia uma nova guerra. Para vencê-la, ele recorre a um ser das trevas (Charles Dance) que vive pela região. Após beber o sangue dele, Vlad se torna um vampiro e ganha poderes sobrehumanos. (Fonte: Adorocinema)

Dá uma olhada no trailer:



"Neither this world nor the next, can separate us. Time always seems too short to those in need, but for those who love, it lasts forever. Why think separately of this life and the next, when one is born from the last."


Dúvidas ou sugestões de outros filmes? Deixe aqui nos comentários.

Então é isso. Valeu, até mais.

Talvez goste disso

0 Comentários

Google+